Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Abrigo das letras

Abrigo das letras

Vila Velha de Ródão

Registo fotográfico de um belíssimo passeio a Vila Velha de Ródão, oportunidade para visitar um antigo lagar de azeite e ouvir ao pormenor como era o seu funcionamento. Como homens e animais bastante robustos eram necessários para fazer mover mós e prensas de forma a esmagar e espremer a azeitona. 

20220717_110003.jpg

Oportunidade também para apreciar as bonitas paisagens da zona, desfrutar de um pequeno cruzeiro no rio Tejo e passar pelas Portas de Ródão!

20220717_110225.jpg

 

20220717_125521.jpg

 

20220717_153647.jpg

20220717_121246.jpg

 

20220717_122836.jpg

 

20220717_122915.jpg

 

20220717_123048.jpg

20220717_111829.jpg

 

20220717_120500.jpg

 

20220717_122936.jpg

 

Pulsar de vida

Nesta primavera com temperaturas de verão, e quando o inverno não nos visitou, não é de admirar que os lagos, charcas e barragens estejam muito aquém da sua capacidade, dói, olhar e ver toda aquela superfície descoberta que devia estar coberta de água, dói quando se caminha pela serra e não se encontra um fio de água corrente, dói sentir o clamor da terra, dói sentir o apelo estridente dos ribeiros, dói sentir a falta da frescura natural da serra.

Ainda assim no meio de tanta dor, ainda que o pó se espalhe no ar, ainda que as pedras do caminho se soltem da terra, ainda que os galhos nos piquem as pernas, ainda que os sapatos escorreguem nos grãos de terra seca, ainda que o sol nos queime a pele... ainda assim, nós, os caminhantes, os ciclistas e aqueles que vão nas motas, ainda assim a serra pulsa de vida.

E neste pulsar de vida existem pequenos milagres se assim o quisermos chamar, ou "horas de sorte" como outros lhe chamarão. O caminho é uma descida incrível cheia de socalcos e pedras e no meio do nada, algo toca, um som de telefone vindo do chão desperta a atenção dos caminhantes.... que é isto??? todos os olhares se viram para o sitio de onde vinha o som e ali caído no meio das ervas estava ele. Alguém pega e atende a chamada, do outro lado alguém atende... era o proprietário do mesmo que na sua busca   ia ligando para ver se o ouvia tocar. Chamaremos a isto "Hora de sorte" "pequeno milagre"!!!! ou apenas uma boa coincidência o facto de este pequeno grupo de caminhantes estar a passar ali precisamente na hora que o telefone tocou, porque se não tocasse ninguém daria pelo aparelho uma vez que ele estava meio escondido nas ervas. Há coisas que nos fazem pensar que nada acontece por um simples acaso!

20220612_114601.jpg

 

Verão pleno

A minha vila está à "pinha", não encontro um lugar para estacionar, decido ir para mais longe e aí encontro um lugar, bem longe do local para onde quero ir, não importa, a minha vila é linda em todos os caminhos e ruas que me levam ao destino. Assim, o meu passeio é maior e mais diverso, tenho tempo para apreciar as ruas bem cuidadas e limpas, as casas pintadas de cor tão simples e tão bonita que enfeita a minha vila, desfrutar do cheiro tão característico a iodo e a maresia como não há igual em mais sitio nenhum. Passo pela capelinha da Nossa Senhora da Boa Viajem, junto à praia dos pescadores, hoje é o dia da festa de Nossa Senhora da Boa Viajem, em situações normais, este é o dia que mais gente se junta na minha vila, não acontece isso este ano assim como também já não aconteceu o ano passado pelas razões que já toda a gente conhece. Ainda assim a minha vila está muito composta e não deixou de se embelezar para celebrar e honrar a Virgem, padroeira dos Pescadores. 

Como sempre, do alto da muralha espreito a praia lá em baixo e, não me canso de exclamar para mim mesma "como está enorme e bonita esta praia", a praia ideal para as crianças. O local onde caí com uma das minhas crianças já não está lá, ou seja, está, mas completamente coberto de areia, tudo o que era pedra, agora está coberto e deu lugar a esta praia que antes era pequenina e hoje é uma uma praia de excelência nesta vila.

Ainda passo pelas furnas e avisto a outra praia, a maré está baixa e as algas inundam a areia, os banhistas não gostam mas, que fazer, o mar as trouxe o mar as há-de levar. Mais um pouco e chego ao meu destino. A marcação já estava feita desde o dia anterior, têm certificado covid? foi o que me foi perguntado aquando o telefonema para a marcação, sim, temos, respondi, fica marcado então, foi a resposta do outro lado. Umas sardinhas assadas com salada de tomate e pimento vermelho e alface, o meu menu de verão!

FB_IMG_1629049198989.jpg

 

 

Na parede de pedra

O sol, a praia, o céu azul, o mar, os passeios à beira mar, os longos dias, o vento, o nevoeiro matinal, os chuviscos, o tempo encoberto, manhãs e noites frias intercaladas com algumas manhãs e noites quentes, é isto o Verão na minha zona de morada. Sempre que posso e, ou me apetece dou um pulinho até à praia, quase sempre está vento, salva-me o corta vento, apanho sol, vou ao banho, a água é fria, (nem sempre é fria) por incrível que pareça, eu gosto desta água fria, da areia molhada, do corpo molhado a escorrer estas pingas frias, depois sento-me na toalha e olho longe, lá estão eles, estão sempre lá, se não são uns, são outros, mas estão sempre lá, as pranchas não tem descanso e quem as monta também não, estão horas naquilo, depois regressam, despem aqueles fatos e vestem casacos quentes por alguns momentos, ou não fazem nada disto e vão embora assim mesmo com a prancha debaixo do  braço, está feito o desporto de hoje.

Está calor, vou até à água refrescar quando regresso, estou a escorrer, olho para cima, para a parede de pedra que se encontra à minha frente, a parede que suporta o acesso até à praia, e vejo isto, esta planta que no meio das pedras nasceu e cresceu, talvez outras sementes também tenham germinado nesta parede, mas apenas esta vingou, a lei dos mais fortes, tal como os homens também a natureza se rege segundo esta regra. Fico por alguns momentos ali a olhar e a pensar, "tu podes estar no meio do nada, mas isso não te impede de vingar no teu objectivo, apenas tens que possuir uma força de vontade e fazer acontecer", vê esta planta, aqui sozinha no meio do nada, ninguém trata dela, nem água lhe dão e ela cresce...e floresce.

Hoje o sol aqueceu, a praia está composta, tudo com as devidas distancias, tem que ser, não se pode facilitar mesmo que já estejamos vacinados,  os grupos de jovens lá estão sempre naquela zona, mais para a esquerda, a música deles não pára, tenho que ser justa para mim mesma e não estender a toalha muito perto deles senão quero ser incomodada com a musica e as conversas deles. É tão bom ser jovem, sentir a vida a pulsar... mas tudo tem a beleza certa na idade certa, há que saber aproveitar o de melhor que cada idade oferece!

20210728_173326.jpg

 

Verão

Se me perguntarem se gosto do Verão? é verdade, eu gosto do Verão, gosto de usar roupas frescas, de comer saladas e peixe grelhado, gosto de ir à praia e tomar banhos de água fria, caminhar na areia molhada com as ondas a rebentar nos pés, gosto de ver o pessoal a jogar à bola na areia, de ver os corpos bronzeados, de comer gelados, de sentir o sol a queimar ao de leve a minha pele, das cores e das sombras do chapéus de sol, de ver e ouvir as crianças pequeninas a brincar na areia com os seus baldinhos e pás, gosto dos piqueniques feitos no pinhal ou em parques próprios e das festas de verão, dos arraias, das procissões, dos artistas, dos bailaricos e do fogo de artifício, de almoçar, jantar e comer caracóis nos restaurantes das festas, das quermesses, de ver pessoas que já não via há anos e sobretudo do convívio, e tantas mais coisas que não me estou a lembrar agora. Também há as coisas de que não gosto, a confusão de gente nas praias, nos supermercados, no transito, nas ruas (mas sem gente nas ruas o verão não sabe a verão), não gosto dos incêndios, das bebedeiras, da má educação e faltas de respeito etc...

6030801.jpg

 

Não gosto do calor extremo que se fez sentir a semana passada, nem que esse mesmo calor tenha provocado tantos prejuízos nas vinhas e pomares, nem da destruição de tantos hectares de floresta queimada pelos incêndios, nem de tantas casas queimadas e tento colocar-me no lugar das pessoas que perderam tudo pelo o que lutaram uma vida inteira, tento colocar-me nesse lugar mas não consigo, é muito difícil imaginar-me ficar sem tudo o que construí de um momento para o outro e compreendo a relutância que muitas dessas pessoas tiveram em abandonar as suas casas, mas também compreendo que em primeiro lugar está a vida da pessoa, a casa e os bens vêm em segundo lugar embora, isso seja uma parte importantíssima da vida das pessoas... Depois há que recomeçar do zero.... deixo aqui um grande abraço de solidariedade para todos os que ficaram menos bem!