Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Abrigo das letras

Abrigo das letras

Castelo de Torres vedras

Sempre que ia a Torres Vedras, olhava aquele castelo  lá em cima e dizia para mim, "tenho que ir visitar este castelo" mas nunca calhava. Hoje planejei as coisas de forma a fazer uma manhã de turismo e, eis que visitei o castelo.  DSC07306.JPG

 Um pouco da história deste castelo. "O Castelo é de construção primitiva, comprovada pela existência de duas cisternas romanas, e as suas primeiras muralhas terão sido construídas pelos árabes.
Quando se dá a reconquista cristã e a consequente tomada do castelo, em 1148, as muralhas terão ficado destruídas, tendo sido de imediato reconstruídas para impedir a entrada dos árabes durante o cerco de 1184.  DSC07308.JPG

 Interior do castelo

DSC07331.JPG

 

DSC07322.JPG

 Vista sobre a parte norte da cidade de Torres vedras

DSC07328.JPG

 

DSC07344.JPG

 As cisternas romanas

DSC07332.JPG

 

DSC07333.JPG

 Interior do castelo

 

 

 

 

 

 

DSC07321.JPG

 

DSC07347.JPG

 

Granada, Alhambra e Serra Nevada

Um belo fim de semana passado a visitar Granada, Alhambra e a Serra Nevada. Tivemos a sorte de apanhar bom tempo e ao mesmo tempo ver nevar na Serra Nevada! O único senão neste passeio é a viajem até lá, são muitas horas de carro, mas costuma-se dizer que "quem corre por gosto não cansa" e quem fica em casa sujeita-se a não conhecer nada!

 

"Alhambra é uma cidade amuralhada que ocupa a maior parte da colina de La Sabika. A cidade de Granada tinha o seu próprio sistema de muralhas, pelo que a Alhambra podia funcionar de forma autónoma em relação a Granada. Na Alhambra encontravam-se todos os serviços próprios e necessários para a população que ali vivia: palácio real, mesquitas, escolas, oficinas, etc."

DSC08941.JPG

 Alhambra

DSC08933.JPG

 Alhambra

DSC08922.JPG

 Alhambra

DSC08901.JPG

 Alhambra

DSC08887.JPG

 Alhambra

28279759_1990977774264446_5353842449870998644_n.jp

Espectáculo de Flamengo - "O FLAMENCO é uma arte popular aplicada ao modo particular de dançar, cantar e tocar guitarra proveniente da região de Andaluzia, no sul da Espanha. A Andaluzia é formada por oito províncias que são: Sevilla, Granada, Málaga, Córdoba, Jerez, Huelva, Cádiz e Almería."

DSC08870.JPG

 Alhambra - Não podia ficar indiferente a esta maravilha!

DSC08964.JPG

Granada - "Após o fim da Guerra de Granada a 2 de janeiro de 1492, o antigo reino nasrida de Granada passou a fazer parte da Coroa de Castela. O seu símbolo, a romã (granada em espanhol), foi incorporado no escudo da Monarquia Católica e, atualmente, ainda figura no brasão de armas de Espanha."

DSC08972.JPG

 Granada - "O hábito de beber chá, algo bastante comum na Andaluzia, região localizada no sul da Espanha – é uma herança tipicamente árabe, tal como os belíssimos arcos e as portas ricamente adornadas de Alhambra."

DSC08975.JPG

 Granada

 

DSC08986.JPG

 Granada

20180224_113844.jpg

 Alhambra

20180225_114013.jpg

 Maravilhosa Serra Nevada

20180225_114243.jpg

 Maravilhosa Serra Nevada

20180225_114245.jpg

 Maravilhosa Serra Nevada

20180225_115537.jpg

 No fim, chocolate quente!

Cruzeiro no Douro

Num dia maravilhoso de Junho, cheio de sol e uma temperatura fabulosa, cruzei o Douro.

Douro 1.jpg

 Apreciei belíssimas paisagens,

Douro 2.jpg

 Desci barragens,

Douro 3.jpg

 Apreciei o magnifico engenho das barragens e comportas,

Douro 4.jpg

 Senti a frescura do verde nortenho,

Douro 5.jpg

 A chegar ao Porto, por baixo das pontes passei,

Porto.jpg

 E no final da tarde culminei com a belíssima, romãntica e misteriosa zona ribeirinha do Porto.

Um passeio que se faz uma e outra vez sem nunca cansar. Recomenda-se! 

 

 

Dia de ir à cereja , Fundão

Muitos quilómetros me separam do sítio onde vivo até à zona da cereja. Ainda assim quando me propuseram este passeio e com a opção de poder colher da árvore as cerejas que podia trazer para casa, não hesitei. Aceitei o convite e fiz uma coisa que nunca tinha feito antes, colhi e comi cerejas no cerejal.

DSC08165.JPG

 Filas  e mais filas de cerejeiras compunham aquele cerejal situado no meio do verde, confinando com outros pomares de outras espécies de frutas, algures lá para o Fundão. Lindas são as cerejeiras carregadas de excelentes cerejas. Disseram-nos que deviamos colher as cerejas com o pé senão elas secam e estragam-se mais depressa.

DSC08190.JPG

De seguida fomos à feira da cereja onde, escusado será dizer que em todas as bancadas lindas e grandes cerejas enchiam caixas e mais caixas do apreciado fruto vermelhinho. Acabei por provar um delicioso licor de cereja e comprei uma garrafinha, pois sou doida por licores!

DSC08196.JPG

 

Grutas de Santo António

Há poucos dias, juntamente com umas amigas resolvemos dar um passeio pela zona de Fátima, decidimos ir visitar as Grutas de Santo António. Todas já as tinhamos visitado há muitos, mesmo muitos anos pelo que ficamos contentíssimas por revê-las. Deixo-vos aqui um pouco da sua história que obtive através duma breve pesquisa e também algumas imagens que obtive através do meu equipamento fotográfico.

"Próximas, quer em termos geográficos, quer em termos naturais das Grutas de Alvados, as Grutas de Santo António foram mais uma descoberta da beleza natural e tão característica do PNSAC.

As Grutas de Santo António foram descobertas, ocasionalmente, em 2 de junho de 1955 por dois homens que trabalhavam perto da Pedra do Altar.

DSC07801.JPG

A água, no decorrer do seu ciclo, absorve grandes quantidades de dióxido de carbono quando atravessa a atmosfera e se condensa para, posteriormente, se precipitar novamente sobre a terra em forma de chuva.

Nas zonas calcárias, quando chove, estas águas espalham-se no solo em todas as direções, ao sabor dos declives, e escoam pelas fendas, aumentando-as, quer pela erosão mecânica natural, quer pela reação química causada pela presença de dióxido de carbono.

No seu processo de infiltração, estas águas ao atingirem as amplas cavidades anteriormente formadas (grutas), geram pequenas gotas que caem dos tetos, criando nesse processo todo o tipo de formações.

Uma parte destas águas vai, naturalmente, sofrendo o fenómeno da vaporação, diminuindo assim, substancialmente a quantidade de dióxido de carbono que nela existia inicialmente. Esta operação origina a formação de carbonato de cálcio que, sendo insolúvel, fica suspenso dos tetos sob formas sólidas coniformes, pelas quais vão "crescendo" lentamente – estalactites.

DSC07795.JPG

 

No entanto, se as gotas, devido a uma permeabilização mais intensa, se desprendem mais rapidamente e de uma forma regular dos tetos, o fenómeno químico concretiza-se, fazendo com que as formações cresçam a partir do chão sendo conhecidas por estalagmites.

Quando se dá a união das formações, criam-se colunas únicas e de beleza rara."

Texto retirado daqui daqui 

Fátima, o Santuário do mundo

Para as pessoas de fé, este é um momento muito alto de sentimento. Aliando o dia em que se comemoram as aparições dos três pastorinhos e a sua canonização, à vinda do Papa Francisco, os olhos este fim de semana vão estar focados em Fátima.

 

DSC07760.JPG

 Oração que o Papa Francisco vai rezar no dia 13 de Maio juntamente com os fiéis!

"Salve Rainha,

bem-aventurada Virgem de Fátima,

Senhora do Coração Imaculado,

qual refúgio e caminho que conduz até Deus!

Peregrino da Luz que das tuas mãos nos vem, dou graças a Deus Pai que,

em todo o tempo e lugar, atua na história humana;

peregrino da Paz que neste lugar anuncias, louvo a Cristo, nossa paz,

e para o mundo peço a concórdia

entre todos os povos;

peregrino da Esperança que o Espírito alenta, quero-me profeta

e mensageiro para a todos lavar os pés,

na mesma mesa que nos une.

 

Salve Mãe de Misericórdia,

Senhora da veste branca! Neste lugar onde há cem anos

a todos mostraste

os desígnios da misericórdia do nosso Deus, olho a tua veste de luz

e, como bispo vestido de branco,

lembro todos os que, vestidos da alvura batismal,

querem viver em Deus

e rezam os mistérios de Cristo

para alcançar a paz.

 

Salve, vida e doçura,

Salve, esperança nossa,

ó Virgem Peregrina, ó Rainha Universal!

No mais íntimo do teu ser, no teu Imaculado Coração, vê as alegrias do ser humano

quando peregrina para a Pátria Celeste.

No mais íntimo do teu ser, no teu Imaculado Coração,

vê as dores da família humana

que geme e chora neste vale de lágrimas.

No mais íntimo do teu ser, no teu Imaculado Coração,

adorna-nos do fulgor de todas as joias da tua coroa

e faz-nos peregrinos como peregrina foste Tu. Com o teu sorriso virginal

robustece a alegria da Igreja de Cristo.

Com o teu olhar de doçura

fortalece a esperança dos filhos de Deus.

Com as mãos orantes que elevas ao Senhor

a todos une numa só família humana.

 

Ó clemente, ó piedosa,

ó doce Virgem Maria,

Rainha do Rosário de Fátima!

Faz-nos seguir o exemplo dos Bem-aventurados Francisco e Jacinta,

e de todos os que se entregam

à mensagem do Evangelho.

Percorreremos, assim, todas as rotas,

seremos peregrinos de todos os caminhos, derrubaremos todos os muros

e venceremos todas as fronteiras,

saindo em direção a todas as periferias, aí revelando a justiça e a paz de Deus. Seremos, na alegria do Evangelho,

a Igreja vestida de branco,

da alvura branqueada no sangue do Cordeiro derramado ainda em todas as guerras

que destroem o mundo em que vivemos.

 

E assim seremos, como Tu,

imagem da coluna luminosa

que alumia os caminhos do mundo, a todos mostrando que Deus existe, que Deus está,

que Deus habita no meio do seu povo, ontem, hoje e por toda a eternidade.

 

(juntamente com os fiéis)

Salve, Mãe do Senhor,

Virgem Maria, Rainha do Rosário de Fátima! Bendita entre todas as mulheres,

és a imagem da Igreja vestida da luz pascal, és a honra do nosso povo,

és o triunfo sobre a marca do mal.

Profecia do Amor misericordioso do Pai,

Mestra do Anúncio da Boa-Nova do Filho,

Sinal do Fogo ardente do Espírito Santo,

ensina-nos, neste vale de alegrias e dores, as verdades eternas

que o Pai revela aos pequeninos.

 

Mostra-nos a força do teu manto protetor. No teu Imaculado Coração,

sê o refúgio dos pecadores

e o caminho que conduz até Deus.

Unido aos meus irmãos,

na Fé, na Esperança e no Amor, a Ti me entrego.

Unido aos meus irmãos, por Ti, a Deus me consagro,

ó Virgem do Rosário de Fátima.

E, enfim, envolvido na Luz que das tuas mãos nos vem, darei glória ao Senhor

pelos séculos dos séculos.

 Amen."

Palácio de Monserrate Sintra

Maria Flor levantou-se cedo, tinha planos bonitos para aquele domingo que se apresentava soalheiro, tinha visto a metereologia no dia anterior e sabia que o tempo ia estar bom mesmo sendo ainda inverno.

Preparou-se desportivamente, calças de ganga clara, uma blusa tipo camiseiro, um blusão de ganga leve, tênis, uma lancheira com umas sandes e alguma fruta para o almoço e uma garrafa de água.

Assim preparada pegou no carro e dirigiu-se ao local que havia combinado com a sua amiga, ambas seguiram então até Sintra, tinham decidido passar o dia juntas, pôr conversa em dia e passear num belo parque situado no sopé da serra de Sintra, foram visitar o palácio de Monserrate e os jardins.

Um grupo grande de jovens estrangeiros também se passeavam por ali, fazendo fotos e videos aqui e ali, penso até que as duas amigas ficaram num video deles, porque quando se aperceberam que estavam a filmar já eles estava a acabar e elas estavam mesmo atrás deles.

Desceram o caminho que as levou até ficarem de frente com o palácio, belo e imponente destacava-se no meio da folhagem verde de árvores seculares e o azul do céu, ficaram maravilhadas com o que viam, embora já conhcessem o palácio em fotos e na internet, ao vivo é sempre uma sensação mais completa, mais presente e real.

DSC07678.JPG

 

 DSC07683.JPG Entraram no átrio central onde deparam de imediato com uma bela fonte de alabastro, uma estátua e a copúla de um  efeito cenográfico maravilhoso. Daquela perspetiva olhando para a esquerda e para a direita exibia-se o corredor central, suportado em colunas de mármore rosa e em arcos rendilhados feitos em estuque relevado, oferecendo um espectáculo magnifíco.

DSC07686.JPG

 

DSC07699.JPG

 

DSC07706.JPG

 O encanto do exterior, envolvido por jardins maravilhosos, verdes de cortar a respiração, tendo como música de fundo o som das quedas de água das magnificas cascatas que existem no parque. Árvores seculares exibindo troncos que parecem esculturas, cameleiras repletas de botões que se erguem em direção aos céus, lagos simplesmente romãnticos.....

DSC07734.JPG

 Sintra é uma vila cheia de encanto, mistério e romantismo.... vila de reis e gente burguesa.... hoje altamente turística, circulando pela zona histórica de Sintra, por vezes temos a sensação de estar num país estrangeiro por se ver mais estrangeiros que portugueses.

 

No final do nosso passeio fomos tomar um café à famosa pastelaria "Piriquita" e saborear ainda quentes os famosos travesseiros de Sintra, sendo este o seu doce tradicional!

 

Quando forem a Sintra, não deixem de visitar!

Entre serras e paisagens

Entre serras e paisagens fui visitando algumas coisas, encontrei uma quinta em Alcains onde se faz a criação das ovelhas e o fabrico do queijo, ali, quase vi nascer carneirinhos, não aqueles que conto à noite para adormecer, mas os verdadeiros, quando os fotografei ainda mal se tinham de pé!

DSC07544.JPG

 

DSC07543.JPG

 As meninas marcadinhas de cor de rosa e os meninos de azul, digam lá se não são tão amorosos?

DSC07545.JPG

 O feno para os alimentar quando não vão ao pasto!

DSC07540.JPG

 As ovelhas no pasto

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Castelo Novo, Fundão

O nosso autocarro parou no largo principal da Aldeia histórica de Castelo Novo para nos deixar a visitar este lindo lugar perdido no meio das serras da Gardunha no concelho do Fundão, distrito de Castelo Branco.

DSC07560.JPG

 Começamos a subir a calçada e fomos nos deparando com ruas estreitas e belas construções recuperadas de um lado e do outro, curiosamente não se viam pessoas, apenas as da nossa excursão e mais um turista ou outro. Aqui é o Chafariz da Bica, é ornamentado com o brazão de D. João V!

DSC07565.JPG

 Os monumentos que fomos encontrando pelo caminho estavam todos fechados embora fosse Domingo, mas apreciamos os exteriores que só por si já nos enchiam a alma, de tão bem enquadrados nesta pequena aldeia. Esta é a Igreja da Misericórdia!

DSC07547.JPG

 Antes do autocarro estacionar já tinhamos passado por esta cascata que fica à entrada da aldeia!

DSC07571.JPGCasa da Cãmara

DSC07578.JPG

 

DSC07581.JPG

 Do alto do castelo apreciei esta paisagem que me encantou pela sua beleza! 

Um lugar que recomendo visitar a todos os que por estes lados passar, acreditem que vale a pena!

Moscatel de Favaios

Este fim de semana foi dedicado a fazer um passeio pelo interior norte de Portugal, vou falar aqui um pouco da adega de Favaios, ponto obrigatório da nossa visita, onde atentamente às explicações da guia pudemos ficar a saber através dos seus conhecimentos como se produz o excelente vinho moscatel de Favaios.

Favaios, uma região situada num planalto do Douro confere aos seus vinhos uma característica muito singular marcados pelos aromas típicos da região. Destaca-se principalmente o vinho moscatel, seja o clássico, o reserva ou 10 anos, cada um produzido sob uma técnica diferente.

DSC07459.JPG

 "A história de Favaios  perde-se no tempo, o seu nome provêm de "Flávius" antiga povoação romana, que pertencia à terra de Panóias, e o seu desnvolvimento acompanhou as dinastias"

DSC07468.JPG

 "Em Portugal existem duas renomadas regiões na produção do Vinho Moscatel. Uma é a Península de Setúbal, onde nasce o localmente conhecido Moscatel de Setúbal, cujo nome internacional é Moscatel de Alexandria. Mais a norte, no Douro, nasce o Moscatel Galego Branco."

DSC07477.JPG

 

 

O delicioso Moscatel de Favaios distingue-se por ser um vinho produzido a partir de uma única casta, o “Moscatel Galego”, num território bem delimitado entre Favaios, o lugar da Granja e algumas parcelas em Alijó. Todas estas áreas situam-se acima dos 600 metros de altitude. Aqui, consegue combinar-se um terreno bastante fértil e pouco pedregoso, que se estende por uma área plana ou com declives muito suaves e um clima fresco, favorecido pelos nevoeiros e orvalhadas habituais."