Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Abrigo das letras

Abrigo das letras

Raízes

Na quietude dos dias em que os minutos se tornam horas contrastando com o tempo em que as horas se traduziam a minutos, chega-me disfarçadamente o som das pingas em tom crescente despertando a minha curiosidade de "felina". As pingas se transformam numa chuva tranquila que ao entrar em contacto com o solo, este a engole rapidamente sôfrego que está do aconchego macio e húmido que a chuva lhe proporciona.

As ervinhas, pequenos e frágeis fios verdes que despontam com uma ou duas folhinhas, cada uma feliz lutando por marcar o seu lugar no universo da sua natureza, não supondo sequer que daí a dias uma cruel ferramenta viria revolver  a terra, expondo as suas minúsculas e indefesas raízes, qual guerra que tudo vira do avesso.

Num período de acalmia, algumas raízes se agarram de novo à terra, vingam as mais fortes e vigorosas, até chegar outra ferramenta mais poderosa que as volta a derrubar, ainda assim, as mais fortes, resilientes, lutam na esperança de que ninguém se lembre de algum produto químico poderoso e perigoso que embora proibido seja utilizado para exterminar as ervas por muitos consideradas como daninhas! 

Frida.jpg

 

Caminhos da serra

É um dia de Inverno, mas o céu está azul e o sol brilha em todo o seu explendor, a temperatura está amena, um dia delicioso para enveredar por aqueles caminhos no meio da serra.

20220220_142256.jpg

Todos os caminhos estão ladeados pela cor da alegria, o amarelo lindo e suave das mimosas que desabrocham, embelezam e perfumam os trilhos da serra. A Primavera antecipada.

20220220_131009.jpg

Por cima de nós três águias esvoaçam e cantam livremente alheias aos problemas sérios que este estado de tempo atípico que se debruça sobre nós. Nesta altura do ano, em estado normal,  a erva estaria alta e molhada, o piso estaria lamacento e escorregadio, andaríamos a chafurdar na lama, a saltar poças de água e atravessar ribeiros, nada disto acontece e  nos confunde.... estamos no inverno ou no verão???

20220220_113608.jpg

Procuramos as sombras das frondosas árvores que se erguem altas e imponentes, as suas raízes bem fundas distendem-se à procura de humidade, muitas estão despidas de folhagem.

20220220_132638.jpgUma extensão de arbustos completamente floridos se estende ao nosso lado esquerdo criando uma visão extraordinária! 

Natureza

Escondida num mundo verdejante, encontras-te só, já foste palco de vida, talvez um guardião da cascata te tivesse habitado, talvez fosses residência permanente de alguma família talvez... talvez.... As tuas grossas paredes abrigaram do frio e da chuva vidas antepassadas. Nas longas noites de inverno à luz de uma candeia se jantou numa mesa de pedra, ao som da melodia da queda de água da cascata. As tuas paredes de pedra  talvez abrigassem no seu interior uma vasta lareira para aquecer, talvez houvesse muito calor humano.

À tua beira corre o ribeiro, a água cai de uma linda cascata, a sua música, a tranquilidade, a frescura que aqui se respira é motivo mais que suficiente para que os povos da vida moderna corram a visitar a cascata e passam por ti, olham para ti, sentem a curiosidade de entender a tua existência, entram a tua porta escancarada, questionam a vida que se viveu aqui e encantam-se com a luxuriante vegetação que te envolve!

És a Cascata de Armés um maravilha dentro do meio rural e tão perto de Lisboa!

20210418_152516.jpg

20210418_151350.jpg

 

20210418_152708.jpg

 

Abril águas mil

Cais de mansinho, em gotas suaves, melodiosas, deslizas lentamente sobre o pano do guarda chuva e desfazes-te no piso alcatroado em que caminho. Unes-te a milhares de outras gotas e juntas formam uma corrente que segue em direcção ao ribeiro.

Indiferente à chuva que cai sobre as abas do seu chapéu, ela caminha embalada pelo seu som, e atenta aos veículos que passam. Salpicos vão molhando os sapatos, as calças, as mãos e o cabelo, mas isso não importa, ela gosta de caminhar à chuva, gosta do seu som, da sua melodia, gosta dos salpicos e de ver as pingas caírem em cima das outras pingas.

De repente um relâmpago, assusta-se um pouco, mas logo se recompõe e segue-se o trovão, as pingas estão a cair mais fortes até que se tornam numa chuva torrencial e ela ali com chapéu de chuva na mão... avista o canavial... corre a abrigar-se.... é um telheiro roto mas abriga um pouco. Permanece ali enquanto a chuva forte dura e pensa.... está a regar a hortinha, que bom, nada como água da chuva para as plantas, tudo fica mais vivo mais resplandecente e viçoso.

Em pouco tempo forma-se o lençol de água na estrada, os carros passam e levantam a água em saraivadas fortes e brutas.

"Em Abril águas mil"

Abril.jpg

 

Conversas com a Mãe

Numa das muitas conversas que tenho com a minha mãe, decorridas à sombra de um extenso chapéu de sol, sentadas em cadeiras de jardim, vamos ouvindo o canto de uma ave que a minha mãe diz ser de um pássaro cujo nome nunca ouvi falar que houvesse (deve ser ser um daqueles nomes exclusivos só utilizados em alguns pontos do país).

Mas eu dizia para a minha mãe - ó mãe isto é o canto de um cuco, tem todas as características de ser um cuco - e íamos ouvindo o seu canto ora de um lado ora de outro, porque a ave, embora não a víssemos, estava sempre a mudar de sitio. Eu cada vez mais convencida de que era um cuco.

Fui pesquisar acerca desta ave e comparar o som que ouvia com o som que saía do canto do cuco no telemóvel... ó mãe está a ver como o canto é igual.... acho que a convenci mas sei que não a venci.... com a idade que ela tem e agarrada que está às suas ideias, quem a consegue mudar?

O canto do cuco anuncia a primavera que já nos brindou com o sol, com as flores, com as andorinhas, com o chilrear dos pardais, com as nêsperas a começar a dar os primeiros sinais da sua cor. 

cuco.jpg

A Esperteza do cuco

É uma espécie parasita, o que significa que, em vez de construir um ninho, deposita os seus ovos nos ninhos de outras aves, nomeadamente de pequenos insectívoros, como a ferreirinha-comum, o pisco-de-peito-ruivo e o rouxinol-pequeno-dos-caniços, entre outras espécies. As aves em cujos ninhos os ovos são colocados recebem o nome de hospedeiros e ficam com a tarefa de cuidar do jovem cuco até este ser independente.

No fim da primavera, a fêmea do cuco procura lares adoptivos para os seus ovos. Quando encontra um hospedeiro apropriado — aves cujos ovos se assemelham ao dos cucos — ela espera até que o ninho deixe de estar vigiado, retira um dos ovos do hospedeiro e substitui-o pelo seu.

Os filhotes do cuco também já apresentam um estratagema de sobrevivência traiçoeiro, aparentemente gravado geneticamente, pois, logo ao saírem dos ovos, empurram para fora do ninho os recém-nascidos autênticos de uma ninhada, tomando-lhes o lugar.