Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Abrigo das letras

Abrigo das letras

As caminhadas em tempo de Covid-19

Sou uma amante de caminhadas, adoro fazê-las à beira mar, tenho o privilégio de viver perto do mar. Agora que todas as entradas para a praia e parques de estacionamento à beira mar estão vedados com fitas, no paredão muitas pessoas ainda fazem as suas corridas e caminhadas, eu optei por outros trilhos para evitar ajuntamentos e cruzamentos. Assim, como a minha zona também é campo, dei preferência aos percursos por onde quase ninguém passa, por trilhos de terra batida, onde abundam pinhais e hortas. Equipo-me de chapéu de sol e outro de chuva porque ora faz sol ora pode fazer chuva, óculos de sol, os meus ténis de caminhada, telemóvel, fones nos ouvidos e música do Spotify, aí vou eu para mais uma. Dou por mim parada a observar as batatas que crescem rapidamente, a chuva ajuda a que toda a natureza de desdobre de um dia para o outro, flores campestres lindas, malmequeres brancos e amarelos, as flores do mato, os pinheiros novos, e encontro lamaçais enormes, já lhes dei o nome de "grandes lagoas", passo pelos lados, salto poças lamacentas, verifico que não à pegadas recentes, o que significa que ninguém passou por ali naquele dia, aparece uma vez ou outra o rasto de bicicleta.Uma vez ou outra cruzo com algum casal que também vai fazer o seu passeio. Desfruto da tranquilidade que só a natureza pode oferecer e, enquanto caminho passo atrás de passo somo quilómetros, esqueço a guerra que grasa pelo mundo e o meu corpo e mente agradecem. No fim, quando chego a casa me sento num banco, estou cansada mas tranquila. Estamos a atravessar um período difícil, que vai fazer historia, não sabemos até quando vai durar mas já conhecemos um bocado da dimensão dos estragos que causa! Manter a sanidade mental e algum exercício físico é fundamental! 

Arvore.jpg

batatal.jpg

 

Flores campestres.jpg

 

Olhando o mar

entardecer.jpg

Sob um céu nublado

vou olhando o mar

A minha  mente se esvasia de pensamentos,

apenas existo eu, a pessoa que está a meu lado e o mar.

Em silêncio contemplamos,

Somente contemplamos porque não são necessárias as palavras.

 O crepúsculo se aproxima devagar

Sinal de que mais um dia chegará ao fim,

Lentamente começo a sair da quietude 

E acordo para a realidade,

A realidade de todos os dias!!!

O sol hoje não namora

Cinzento está o dia

chuvisca lá fora,

parece que se perde a alegria.

O sol hoje não namora,

ele se afunda no mar

porém, não o vejo,

não sei onde foi parar

aquele que tanto invejo!

DSC00085.JPG

 Uma gaivota sobrevoa,

alimento procura,

restos de comida talvez

que na praia ainda perdura!

 

Te saúdo Primavera

Bem vinda Primavera, contigo esperamos viver o crescimento dos dias, o crescimento das plantas e flores, o crescimento da alegria e da vontade de viver! Contigo o nosso olhar alcança quilometros e quilometros de áreas verdejantes, de mar azul e as andorinhas nos beirais afadigadas em construir os seus ninhos. Vejo e oiço pássaros por todo o lado. Contigo tudo é mais belo, muito mais belo!!!!

primavera.jpg

 

És um mar imenso, por vezes rebelde

És um mar imenso, 

Diferente todos os dias

Nada há igual às tuas cores,

Testemunhas alegrias

E também tristezas,

És um território de profundas dores;

 

És um mar belo, por vezes rebelde,

Que guardas nas tuas entranhas,

O fruto denso e cruel,

de irreflectidas façanhas;

 

És o confidente

De muitas paixões

Escutas também

Um mundo de desilusões;

 

Os olhares pairam sobre ti,

Estendem-se até ao horizonte,

Sonham e sorriem,

Como a brisa no monte!

20161116_104919.jpg

 

 

 

 

 

 

 

Todos temos um farol que nos orienta

Os faróis foram muito usados na antiguidade, concebidos com uma luz intensa e forte de forma a ser avistada pelos navegadores que se encontram em alto mar que serve para os avisar e orientar, que se estão a aproximar da terra, ou de porções de terra que entram pelo mar dentro. O farol é assim um sinal que orienta os marinheiros quando se encontram no mar. Em dias de nevoeiro muito intenso no mar é comum ouvir-se a sirene do farol, os marinheiros não podem avistar a sua luz, mas podem ouvir a sirene e seguindo o som conseguem se orientar.

 

Todos temos um farol dentro de nós que nos orienta, uma referência que nos serve de guia, às vezes estamos tão absorvidos no meio do nosso mar que não procuramos o farol, deixamo-nos assim andar à deriva e quando percebemos já batemos numa rocha ou já nos perdemos na imensidão do oceano. Há uns dias deparei com esta frase que alguém colocou numa rede social "porque sofro tanto, já não aguento mais, mereço ser feliz".

Fiquei a pensar nisto e na pessoa que assim desabafava na rede social. Andará esta pessoa perdida e não consegue encontrar o seu farol, às vezes é preciso uma mão amiga que ajude que indique o caminho e que, mesmo devagarinho se vá avançando até lá chegar. Todos temos um farol dentro de nós mas muitos não o conseguem ver, existe muito nevoeiro no seu interior e a sirene pode estar avariada, isso impede que se alcançe o farol!

farol.jpg

 

 

 

 

Coisas que vou observando em cada dia

  Momento por mim roubado hoje às pombas enquanto elas conferenciavam entre si em relação ao tempo que estava de chuviscos!

 

DSC06649.JPG

 

Pomba branca, pomba branca
Já perdi o teu voar
Naquela terra distante
Toda coberta p'lo mar
Pomba branca, pomba branca
Já perdi o teu voar
Naquela terra distante
Toda coberta p'lo mar

 

Fui criança e andei descalço
Porque a terra me aquecia
E eram longos os meus olhos
Quando a noite adormecia
Vinham barcos dos países
E eu sorria a Deus, sonhei
Traziam roupas, felizes
As crianças dos países
Nesses barcos a chegar

............

Depois mais tarde ao perder-me
Por ruas de outras cidades
Cantei meu amor ao vento
Porque sentia saudades
Do primeiro amor da vida
Desse instante a aproximar
Dos campos, do meu lugar
À chegada e à partida

Pomba branca, pomba branca
.........

(Carlos do Carmo)

O verão, as férias, a piscina e o mar

Lá em baixo está a piscina e o relvado, está um pai deitado na relva que vai levantando e baixando uma perna, as suas crianças divertem-se a saltar por cima da perna, elas correm e saltam uma e outra e outra vez, depois desatam a correr a volta da piscina com uma energia que não se esgota. Como é bom  ver e sentir as crianças felizes.

 

Noutro ponto da relva está um grupo de adolescentes a jogar às cartas, estes também se divertem exercitando o cérebro, puseram de parte por, talvez umas horas as tecnologias.

 

Grandes e pequenos refrescam-se na piscina, mergulham, nadam, brincam.... o calor é muito e é verão!

 

As espreguiçadeiras estão para os que querem descansar e aproveitar as sombras, lendo livros e revistas ou apenas conversando uns com os outros.

O colorido e a graciosidade que o cenário apresenta é agradável aos olhos de quem se encontra uns metros mais acima e, de onde pode desfrutar de uma paisagem lindíssima com o mar como pano de fundo. Bem lá ao longe no meio do azul vislumbra-se um veleiro de pequeno porte, certamente um barco de recreio, também estes, os ocupantes do veleiro estarão no pleno gozo das suas férias...

the_simpsons_holiday_by_halleyac-d35nzp2.jpg

 

Pedirei ao tempo

Pedirei ao tempo

 

Em cada janela virada ao mar,

colocarei uma vela,

direi ao vento que a mantenha acesa,

em cada vela colocarei uma prece,

e pedirei ao tempo que pare,

para recolher nas minhas mãos

as memórias que tenho do teu rosto,

pedirei ao tempo que

me conceda uns instantes,

para que nesses instantes sinta

que o meu mundo estaria completo!

(Maria Flor)

7060055.jpg