Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Abrigo das letras

Abrigo das letras

2013

2012 deixou atrás de si um rasto de incerteza, de desilusão, de gente que não sabe o que fazer, de pessoas que deambulam pelas ruas sem saber para onde vão, de crianças que vão para a escola sem comer, de gente que fica sem casa....de governantes que já não conseguem iludir ninguém por tantas mentiras que dizem e tantas impostorices que demonstam....

O ano que se inicia, terá que ser um ano de muita reflexão sobre todos os aspectos da vida, seja pessoal, financeira ou profissional, é óbviamente  importante que se (pense duas vezes) antes de tomar qualquer decisão. Todos os dias somos confrontados com decisões a tomar e escolhas a fazer, mesmo que sejam pequenas escolhas. As escolhas acertadas são resultado de ponderação e comparação. É hora de se fazer um balanço sobre o ano que agora terminou e refletir nos aspetos que correram menos bem e o que se poderia ter feito e não se fez para que os mesmos tivessem corrido melhor. Também é hora de analizar as opções acertadas que de fez e tirar delas o benefício adquirido para assim proceder quanto as outras decisões. Excelente ano de 2013 para todos!

O melhor de 2012

2012 tem sido um ano dificil para muitos portugueses, dentro de tantas dificuldades que se deparam em cada dia há semprte algo de bom que acontece, é preciso estar atento para poder descernir o que de fato de bom aconteceu. Cinco coisas boas que me aconteceram em 2012:

- A minha grande familia ter conseguido levar a cabo um processo de partilhas de herança sem desavenças, sabemos que estes processos muitas vezes originam discórdias mesmo entre pessoas que até aí se relacionavam muito bem.

- Ver a minha netinha crescer, começar a andar e a falar cada vez melhor, observar a forma com se desenvolve, como percebe tudo o que lhe é ensinado e a sua veia independente para querer fazer tudo sózinha.

_ Nada de muito grave ou trágico ter acontecido no seio da minha grande familia. É uma benção de Deus concedida e que passa despercebida pelo que nem sempre nos vem à lembrança agradecer.  

- Ter voltado a viver na casa onde a minha famila cresceu, embora os motivos que me levaram a isso  não tenham sido os melhores.