Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Abrigo das letras

Abrigo das letras

Primeira semi-final da canção

Acompanho o Festival da canção ano após ano, comecei a ver 1969 quando Simone de Oliveira conquistou o primeiro lugar com "Desfolhada", foi uma canção que encheu os portugueses pela sua música e principalmente pela letra um pouco arrojada, audaciosa até, para a época. Eu era ainda uma menina, não compreendia a letra na sua integridade, mas a sonoridade da música ficou gravada e mesmo não tendo o mínimo jeito para cantar, também a cantarolava. Vivíamos sob o regime da ditadura de Salazar. Ainda hoje, passados cinquenta e dois anos ela continua bem presente na memória de todos os que acompanham os festivais e não só, também a geração mais nova às vezes a canta.

Muitos anos a ver festivais e Portugal a ficar sempre nos últimos lugares tornou-se um hábito. O facto de Portugal ficar sempre nos últimos lugares deu lugar a um espanto quando, em  2017, há precisamente quatro anos,  Salvador Sobral conquistou o primeiro lugar, achei que não estava a ver a bem a votação e, mesmo a assistir não estava a acreditar, estávamos perante um fenómeno na música portuguesa. Nunca vou esquecer essa data, por duas razões: primeiro, porque esse foi um acontecimento excepcional nunca antes acontecido em Portugal, segundo, eu estava com alguém muito especial num local também especial. Foi uma data memorável.

Ontem aconteceu a primeira semifinal das canções para apuramento da canção que nos irá representar no Festival da Eurovisão. Acompanhei o desfile das músicas, há duas que são a minha preferência "Dia Lindo" e "Na mais profunda Saudade". No geral achei as canções bastante melodiosas e monótonas, em minha opinião penso que um pouco mais de "energia" não sei bem se esta será a palavra apropriada, tornaria as canções mais festivaleiras. 

Vamos aguardar pelas outras dez que aí vêem!

festival-da-cancao-2021.jpg

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.