Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Abrigo das letras

Abrigo das letras

Ler livros na praia... esquece .... para Maria, não

Maria estava numa praia onde supostamente ninguém a conhecia e onde ela não conhecia ninguém. Maria levava um livro para para ler algumas páginas embora soubesse de antemão que se calhar nem o ia abrir, mas levou o livro. A concentração no livro era sempre interrompida pelas vozes de pessoas que passavam, por brincadeiras de crianças, pelo o múrmúrio das ondas, ou simplesmente pelo abanar das abas do guarda sol. Qualquer coisa servia para que Maria se distraísse e tirasse os olhos do livro, ela queria apreciar a praia e o momento.

 

Deitou-se de barriga para baixo e fechou os olhos "passou pelas brasas" por momentos, ouve o som das ondas que vão e vêem em intervalos pequenos, outras vezes faz-se um silêncio e Maria tem a sensação de estar sozinha naquela praia, olha em volta e a praia está cheia de chapéus de sol e corta-ventos.

 

Maria está na sombra do seu guarda- sol e no abrigo do seu corta-ventos desfrutando o momento bom que a praia proporciona, entretanto, vai escrevinhando com lápis de carvão umas palavras num caderno de folhas brancas que a acompanha sempre para poder registar os momentos de inspiração.

 

A areia do areal é em alguns sítios, muito grossa, chega a incomodar e magoar os pés enquanto se caminha sobre ela, ainda assim, é uma praia muito limpa, de fácil acesso e galardoada com bandeira azul. Em Junho a praia não está muito cheia, existe uma distância razoável entre os grupos de pessoas, mesmo que os grupos sejam só de uma pessoa.

 

Por vezes, as abas do chapéu-de-sol de Maria abanam, provocando um som característico de abas a abanar, o vestido de algodão às riscas que está pendurado nas varetas do chapéu, que tem uma fita que aperta na cintura e uns berloques nas pontas, quando estas batem no pau do chapéu, fazem tlim tlim.

 

O livro que acompanha Maria, jaz quieto dentro do saco, nem o tirou de lá, o livro é grande e pesado, não é próprio para levar para a praia, mas levou-o na mesma, falta pouco para chegar ao fim, vai esperar pela a noite. Decididamente para Maria é escusado levar livros para a praia, alguma revista sim, livros não!

20160619_180725.jpg

O areal em certos sitios são pedrinhas "Zen", é quase difícil caminhar sobre elas

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.