Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Abrigo das letras

Abrigo das letras

Conversas com a Mãe

Numa das muitas conversas que tenho com a minha mãe, decorridas à sombra de um extenso chapéu de sol, sentadas em cadeiras de jardim, vamos ouvindo o canto de uma ave que a minha mãe diz ser de um pássaro cujo nome nunca ouvi falar que houvesse (deve ser ser um daqueles nomes exclusivos só utilizados em alguns pontos do país).

Mas eu dizia para a minha mãe - ó mãe isto é o canto de um cuco, tem todas as características de ser um cuco - e íamos ouvindo o seu canto ora de um lado ora de outro, porque a ave, embora não a víssemos, estava sempre a mudar de sitio. Eu cada vez mais convencida de que era um cuco.

Fui pesquisar acerca desta ave e comparar o som que ouvia com o som que saía do canto do cuco no telemóvel... ó mãe está a ver como o canto é igual.... acho que a convenci mas sei que não a venci.... com a idade que ela tem e agarrada que está às suas ideias, quem a consegue mudar?

O canto do cuco anuncia a primavera que já nos brindou com o sol, com as flores, com as andorinhas, com o chilrear dos pardais, com as nêsperas a começar a dar os primeiros sinais da sua cor. 

cuco.jpg

A Esperteza do cuco

É uma espécie parasita, o que significa que, em vez de construir um ninho, deposita os seus ovos nos ninhos de outras aves, nomeadamente de pequenos insectívoros, como a ferreirinha-comum, o pisco-de-peito-ruivo e o rouxinol-pequeno-dos-caniços, entre outras espécies. As aves em cujos ninhos os ovos são colocados recebem o nome de hospedeiros e ficam com a tarefa de cuidar do jovem cuco até este ser independente.

No fim da primavera, a fêmea do cuco procura lares adoptivos para os seus ovos. Quando encontra um hospedeiro apropriado — aves cujos ovos se assemelham ao dos cucos — ela espera até que o ninho deixe de estar vigiado, retira um dos ovos do hospedeiro e substitui-o pelo seu.

Os filhotes do cuco também já apresentam um estratagema de sobrevivência traiçoeiro, aparentemente gravado geneticamente, pois, logo ao saírem dos ovos, empurram para fora do ninho os recém-nascidos autênticos de uma ninhada, tomando-lhes o lugar.

 

14 comentários

Comentar post