Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Abrigo das letras

Abrigo das letras

Gentileza

 "A gentileza é, por vezes, confundida com a elegância. No entanto é muito mais completa e difícil. Se a segunda é uma combinação de vaidade, delicadeza e galanteria, a gentileza, sendo dela indissociável, supera-a sob muitos aspetos. É uma ginástica do afeto, da amabilidade e da atenção prestada ao outro, tratando-o, no mínimo, como gostaríamos que ele nos tratasse. Não exclui a discordância e a diferença, convive com a crítica e a assertividade, mas não deixa que estas se transformem em azedume ou agressão. Por outras palavras, saber dizer não, opor-se, contestar, indignar-se se necessário, não é incompatível com uma forma de estar que ponha a gentileza em primeiro plano. Em sociedades que sacralizam os valores da concorrência e da agressividade é, no entanto, difícil praticá-la, sendo por vezes qualificada como própria dos perdedores. Por isso passa por uma luta diária, capaz de fazer de quem a trava uma pessoa melhor, talvez mesmo mais feliz. Cada vez a valorizo mais e cada vez mais me procuro afastar de quem a não pratica. Talvez seja um sinal de envelhecimento, mas se o é, é de certeza um ótimo sinal. Mr. L. Cohen, a quem por estes dias têm chamado «o profeta da gentileza», ao que parece convivia bem com ela."

(texto de Rui Bebiano)

photo-1465711403138-162e171bb7e4-810x540.jpg

Hoje é o dia da Gentlileza

.

Penas!!!

Não apenas porque achei que daria uma belísima foto, mas também porque me levou a encontrar este lindíssimo poema de Fernando Caldeira. !

penas 1.jpg

Penas

Como disserem das minhas,
As penas das avezinhas,
De leves levam ao ar!
As minhas pesam-me tanto,

 

Que às vezes, já nem o pranto
Lhes alivia o pesar!

Os passarinhos têm penas,
Que as lindas tardes amenas
Os levam por esses montes!
De colina em colina,
Ou pela extensa campina
A descobrir horizontes!

São bem felizes as aves
Como são leves, suaves,
As penas que Deus lhes deu!
As minhas pesam-me tanto,
Ai, se tu soubesses quanto,
Sabe Deus e sei-o eu!

(Fernando Caldeira)

 
 

Pág. 2/2