Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Abrigo das letras

Abrigo das letras

Dia ao contrário

31.01.18 | Maria Flor

Hoje comece o seu dia ao contrário, por exemplo, deite-se de manhã e levante-se á noite, tome o jantar de manhã e coma o pequeno almoço à noite, despeça-se de alguém com um "olá" e cumprimente com um "adeus".... é evidente que isto não faz sentido nenhum para ninguém, mas como há um dia para tudo, hoje celebra-se o "dia ao contrário". Se puder quebre as suas rotinas e faça as coisas ao contrário, até vai achar divertido se não acontecer algum dissabor nos intervalos.

Sabia que fazer as coisas de forma diferente do habitual é um estímulo para o cérebro???? Os especialistas dizem que sim e nós sabemos que é verdade! 

transferir.jpg

 

O baile da aldeia

30.01.18 | Maria Flor

A aldeia era muito pequena, mas tinha uma capelinha, uma casa mortuária, um café, uma mercearia e também um pavilhão feito de raíz para a sede recreativa. De ruas curtas e estreitas, casas quase encavalitadas umas em cima das outras, algumas muito antigas, talvez com um século, mas recuperadas,  e um largo principal que dava acesso a quase a todas as ruas. Palmira saíra sa sua aldeia porque ansiava por mais da vida, ali quase sofucava, embora gostasse muito daquele local, um sítio aberto com uma vista fantástica sobre os campos, onde todas as pessoas se conheciam e se cumprimentava sempre que cruzavam umas com as outras, toda a aldeia no seu conjunto parecia um quintal onde todos faziam parte de uma grande família.

Naquele dia Palmira iria à sua aldeia, os seus contactos tinham-na informado do baile que ia haver à noite, sabia que a sala não ia estar cheia como noutros tempos, em que vinha gente das aldeias vizinhas e enchiam a sala, mas não seria por isso que ia deixar de ir, aliás, esse era mais um motivo para comparecer e, depois gostava de encontrar  e falar com as pessoas da sua terra, sabia que ali encontrava sempre muitas, podia pôr a conversa em dia no intervalo das danças.

O conjunto tocava músicas mexidas, os pares dançavam, outros apenas observavam o que se passava em redor, Palmira adorava dançar e dançava tudo, sempre gostara dos bailes da sua aldeia, muito diferente dos reboliços e agitações dos bares e discotecas das cidades, mas não dispensava também estes reboliços, gostava somente de contrabançar os dois modos de vida!

Baile na aldeia.JPG

 

Pensamentos

29.01.18 | Maria Flor

O teu olhar está dirigido para a lareira, vês as brasas incandescentes, e fazem-te lembrar um vulcão em erupção que tu viste em filmes ou na televisão, não interessa onde viste, só interessa que te faz lembrar um vulcão em actividade. Estás pensativa enquanto olhas as brasas, pensas no teu dia de hoje, recordas o que de interessante ou de valor foi ele preenchido, vasculhas no teu cérebro e parece que nada encontras do que tenhas feito que tenha tido alguma utilidade, mas enganas-te..... sabes que no fundo tudo o que fizeste, pensaste ou sentiste tem utilidade, mesmo que não a vejas, ela está lá e de uma forma ou outra se vai revelar!

depositphotos_2077327-stock-photo-thought-bubble.j

 

26 de Janeiro, Dia da Gula

26.01.18 | Maria Flor

Dizem que hoje é o "dia da Gula", jamais me ocorrera que também existe um dia dos gulosos..... O que é afinal a "gula"? segundo o que aprendemos na catequese esse vício de comer é um dos sete pecados capitais, ou seja um pecado bastante grave. Na verdade esse vício é nem mais nem menos que um grave distúrbio alimentar e que pode causar vários problemas de saúde além de aumento de colesterol e obesidade.

 

O dia da Gula foi criado com a intenção de sensibilizar as pessoas com esta tendência e também todas as outras para o facto de terem consciência de que ingerir grandes quantidades de comida só porque sim, porque não conseguem parar, a criar alternativas ao excesso de comida como por exemplo:

  • "Evitar jejuns prolongados;
  • Não fazer refeições com muita fome;
  • Refeições saudáveis a cada três horas;
  • Evitar rodízios e self-services;
  • Ficar atento ao consumo de guloseimas;
  • Praticar exercícios físicos regularmente;
  • Ingerir fibras e proteínas;
  • Manter-se sempre hidratado."

    wmX-1120x802x4-56a751bf839db45521e5d10376fd44e86d6

     

A nota de dez euros

25.01.18 | Maria Flor

Vejam por favor se o que está no chão é uma nota, diz uma senhora que estava sentada a uma mesa num bar de apoio de um hospital para as três pessoas que estavam a ser atendidas ao balcão. De imediato todas as cabeças se viraram para o dito local que estava a ser mencionado. A pessoa que estava mais perto baixou-se e apanhou do chão uma nota de dez euros, muito bem dobradinha em quatro. Pelo que me apercebi a nota não era de ninguém que estava ali, pois ninguém se manisfestou, mentalmente revi os meus movimentos de quando fiz o meu pagamento mas depressa concluí que a nota não me pertencia, eu nunca tenho uma nota dobradinha daquela maneira na minha carteira. Não ouvi mais qualquer comentário referente à nota, e quem a apanhou, simplesmente a guardou como faria outra pessoa qualquer.

Aquela cena deixou-me a pensar que possilvelmente a perda daqueles dez euros pode não ter feito diferença alguma num bolso mais abastado e quem sabe se calhar esse bolso nem se deu conta dessa perda, mas por outro lado, supondo que o bolso que a perdeu tem os euros todos contados para se organizar, aí, a diferença é muito notória e pode deixar vida dessa pessoa um bocado atrapalhada ou até ter ficado sem dinheiro para regressar a casa.

Mentalmente fiz votos para que a nota tivesse caído de um bolso ao qual não fizesse qualquer diferença, mais dez ou menos dez!

19-6evro.jpg

 

Sempre a aprender na escola da vida

23.01.18 | Maria Flor

Menina, por favor pode me escolher um abacaxi que esteja pronto para comer! assim me dirigi à empregada do supermercado onde fazia as compras. Ela me responde com naturalidade e simpatia, assim: basta a senhora puxar uma folha da rama, se ela se soltar facilmente significa que está maduro. Se a folha estiver presa, o fruto ainda não está bom para comer.

Uma informação tão simples e de tão grande utilidade.

Nunca conseguia perceber quando é que o abacaxi estava no ponto, costumava comprar o abacaxi e só o consumir uma semana depois, o que acontecia muitas vezes é que, quando o abria ele já se encontrava deteriorado em algumas partes.

Hoje aprendi uma coisa nova, pois estamos sempre a aprender. A vida é uma aprendizagem constante, mesmo os grandes mestres aprendem coisas novas todos os dias e por isso eles são grandes, porque estão atentos, porque procuram sempre aprender mais.

Há quem diga que a sua escola foi a "escola da vida". Na verdade, a escola entre quatro paredes ensina-nos muito, sem ela nunca seriamos quem somos, as bases aprendemos lá, mas, a "escola da vida", tudo o que aprendemos fora das quatro paredes da escola, essa é a nossa grande escola!

20180123_124324.jpg

 

No Coração do Império

19.01.18 | Maria Flor

Um livro que se lê de uma assentada, uma escrita fácil e deliciosa. Uma história que se desenrola durante o reinado de D. Afonso III e D. Catarina de Áustria. Um amor ardente entre um nobre e uma escrava preta que durou toda uma vida; uma teia de mexericos e ambição de ascenção na corte entre as damas da rainha D. Catarina....

O terramoto que destruiu Lisboa no século XVI, no ano 1531 é aqui retratado e relembrado, uma vez que o terramoto de 1755, passados cerca de 200 anos abafou este remetendo-o ao esquecimento. Posso dizer que não me lembro de alguma vez ter ouvido falar deste e, se por acaso alguma vez ouvi, terei sempre associado ao de 1755.

 

Recomenda-se!

9789897690945.JPG

 

Sob um Céu de Mármore Branco

18.01.18 | Maria Flor

Este é o título do último livro que li, um título muito criativo que que nos remete para um mundo imaginário....

"Sob um Céu de Mármore Branco" é uma leitura que envolve tanto o leitor que ele se esquece da época em que vive e entra num outro tempo e noutro espaço, se esquece das horas, vai lendo sem dar por isso e quando chega ao fim sente um vazio porque acabou. Este é um daqueles livros que não se quer que acabe....

Um relato empolgante de amor, ódio, guerras, intrigas, inspirado no Mausoléu "Taj Mahal" na India e na sua construção.

250x.jpg

 

Taj_Mahal_(Edited).jpeg.jpg

 

Madalena Inglésias

16.01.18 | Maria Flor

Sei quem ele é
Ele é bom rapaz
Um pouco tímido até
Vivia no sonho de encontrar o amor
Pois seu coração pedia mais,
Mais calor

Ela apareceu
E a beleza dela
Desde logo o prendeu
Gostam um do outro e agora ele diz
Que alcançou na vida o maior bem,
É feliz.

Só pensa nela
A toda a hora
Sonha com ela
P´la noite fora
Chora por ela
Se ela não vem

Só fala nela
Cada momento
Vive com ela
No pensamento
Ele sem ela
Não é ninguém

0.jpg

Uma grande Senhora da música nos deixou hoje. Obrigada Madalena Inglésias pelo seu grande contributo à música portuguesa!