Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Abrigo das letras

Abrigo das letras

Truque para adormecer rápido

Se beber leite morno e chás, contar carneirinhos e ler, não o têm ajudado a conseguir adormecer, há um simples exercício de respiração 'milagroso' para adormecer em segundos. 

Segundo o médico criador do método, Andrew Weil, é possível adormecer em poucos segundos com uma técnica de respiração a que ele chama “4-7-8”. O “truque”, diz o especialista, é considerado um tranquilizante do sistema nervoso e pode ser feito de forma natural e bastante simples. 

Para experimentar o método, basta colocar a língua no céu da boca, com a ponta apoiada nos dentes da frente, e seguir os três passos seguintes: 

Passo 1: feche a boca e inspire o ar pelo nariz enquanto conta até quatro; 

Passo 2: sustenha a respiração por sete segundos; 

Passo 3: expire todo o ar pela boca fazendo barulho enquanto conta até oito. 

Em seguida, repita o ciclo de exercícios quatro vezes e perceba o sono a chegar de forma praticamente instantânea, como destaca o site Bolsa de Mulher.

Tirado daqui

Acho que vou exprimentar quando não conseguir adormecer, depois conto se funcionou!

A Noite na Ilha

A Noite na Ilha

Dormi contigo a noite inteira junto do mar, na ilha.
Selvagem e doce eras entre o prazer e o sono,
entre o fogo e a água.
Talvez bem tarde nossos
sonos se uniram na altura e no fundo,
em cima como ramos que um mesmo vento move,
embaixo como raízes vermelhas que se tocam.
Talvez teu sono se separou do meu e pelo mar escuro
me procurava como antes, quando nem existias,
quando sem te enxergar naveguei a teu lado
e teus olhos buscavam o que agora – pão,
vinho, amor e cólera – te dou, cheias as mãos,
porque tu és a taça que só esperava
os dons da minha vida.
Dormi junto contigo a noite inteira,
enquanto a escura terra gira com vivos e com mortos,
de repente desperto e no meio da sombra meu braço
rodeava tua cintura.
Nem a noite nem o sonho puderam separar-nos.
Dormi contigo, amor, despertei, e tua boca
saída de teu sono me deu o sabor da terra,
de água-marinha, de algas, de tua íntima vida,
e recebi teu beijo molhado pela aurora
como se me chegasse do mar que nos rodeia.

Pablo Neruda )